14 jun
2013

Um dia de Buda

Por Marcus Braga

Brasília – DF [Brasil]

Marcus Braga - Arquivo VE

Marcus Braga – Arquivo VE

Fruto de um acidente doméstico, Aristeu teve parte de seu corpo queimado. Foi grande a dor na hora e insuportável depois, entre bolhas e o medo da infecção e do estigma das cicatrizes.

Aristeu, que levava uma vida pacata e tranquila, se viu às voltas com os efeitos daquele acidente doméstico, que mobilizou família e amigos na assistência ao bom companheiro. Após o atendimento emergencial, restou a ele dar continuidade ao seu tratamento em um hospital especializado em queimados, onde, dia sim e dia não, ele seguia o rito de pomadas e de unguentos, na troca de curativos sob o olhar atento dos profissionais de saúde.

Na fila de espera, na antessala dos ambulatórios, Aristeu observava atentamente que havia casos piores que o seu. De cada dor, de cada caso narrado, descobria o sofrimento de seu irmão desconhecido, que ele ignorava no conforto do seu lar, vendo o mundo e suas agruras apenas pela tela da televisão.

Assim seguiu o tratamento de Aristeu, que tratou seu corpo e a sua alma, que foi se iluminando à medida que via, no olhar do seu irmão, dor maior do que ele jamais imaginava sentir. Nas queimaduras cicatrizadas nasceu uma nova pele. No seu espírito, regenerado, nasceram novas convicções e visões de mundo.

*

Assim, nos isolamos do mundo, longe de suas realidades, e quando o destino nos empurra para fora dos muros de nossos palácios, nos defrontamos com a doença, a morte, a pobreza e toda sorte de provações.

A ideia de nos pouparmos do mundo, de seus desafios, nos impede de crescer. Preferimos o paraíso da redoma, crer que o mundo seja uma propaganda de refrigerantes, com jovens sorridentes, para se debulhar em lágrimas nos dramas das telenovelas, concluídos com um apertar de botões.

O mundo não e só dor e sofrimento… O mundo não é só alegria esfuziante… O mundo é um mosaico de histórias e desafios, de sorrisos e lágrimas, que nos conduzem a um processo de amadurecimento como Espíritos, na bendita escola que chamamos de planeta Terra.

Negar a dor do próximo não nos isenta do compromisso com os nossos irmãos. A chaga mais proeminente nos dias de hoje, o individualismo, nos leva ao isolamento em castas econômicas, nas quais ignoramos os desafios alheios e deixamos de aprender com isso.

Essa discussão nos conduz a uma profunda reflexão, de como conduzimos nossos trabalhos assistenciais na seara espírita. Que indicadores estabelecemos para classificar esses trabalhos como satisfatórios? Seria a quantidade de bolsas distribuídas? O volume de recursos arrecadados? Será que esquecemos nesse sentido o valor da troca, do olhar, do abraço? A importância do trabalho no bem está no aprendizado profundo do abraço que damos no nosso irmão em dor!

Em hipótese alguma defendo aqui o turismo da caridade, emblemático na visita às comunidades cariocas pelos estrangeiros, como um safári da pobreza. Defendo a nossa interação interventiva e pessoal no trabalho do bem, de forma a falarmos e ouvirmos, nas visitas a hospitais, orfanatos, asilos e toda sorte de instituições que concentrem pessoas necessitadas, tanto quanto nós necessitamos de ouvir aquela palavra de resistência e luta, diante das provas mais agudas, que virão, ou que nos atormentam.

Sidarta Gautama, o Buda, criado no luxo e na opulência, teve a sua iluminação ao sair de suas suntuosas dependências para encontrar as dores humanas. Aristeu também nasceu de novo, reformulando a sua disposição diante da vida. De cada experiência, de cada dor, colhemos o aprendizado, mas ofertamos também a palavra amiga e o sorriso de esperança, em um exercício permanente de amor, na interação com o próximo.

A nossa iluminação se faz quando rompemos as paredes que nos isolam do mundo, no encontro do próximo. Às vezes, precisamos de dias de Buda para refletir sobre essa realidade. Precisamos trabalhar o nosso coração, torná-lo robusto no amor, um exercício que se faz no encontro com o outro, na alegria e na tristeza.

 

O leitor encontra este artigo clicando neste link http://www.oconsolador.com.br/ano7/316/marcus_braga.html

3 Comentários

  • Parabéns Marcos pelo texto, me tocou profundamente e me fez pensar…

    Muita paz a todos.

  • Sinto na pele o individualismo humano, pessoas so se aproxima por interesses, quando realmente necessito do calor humano de pessoas ate proximas a mim, não as tenho, eu doou tudo de mim para elas e não tenho nada em troca, como a lei da caridade e a solidariedade é o meu lema, passo a bola pra frente sem esperar não em troca. Mais ainda tem o resquício da imperfeição , doi um pouco a indiferença, mais com isso eu aprendo mais sobre a nossa passagem aqui na terra.

  • Parabéns ao Jovem irmão em Cristo pelo texto, a sociedade inicia seus reflexos nos diversos campos da Vida, a Vida Rural, a Vida Doméstica e a Vida Social contingentes do formato Planetário, e para que este grande núcleo de Evolução não ficasse sem Padrões de conduta, O Cristo ensina através de Parábolas, todas edificadas para estas três importantes Áreas de Progresso dentro da conduta Humana, sabedor que todas as áreas humanas estão inclusas no vasto campo do Servir, o Mestre nos simplifica com Parábolas as Grandes Lições, para processar uma verdadeira evolução na Alma. As lições do Buda segue as do Mestre, visto que este veio preparar as arestas do Caminho do Redentor.
    Muita Paz a Todos.

Deixe seu comentário para mariza duarte