20 jun
2009

Reunião mediúnica 20/06/2009

Realmente é importante a leitura, os estudos em grupo. Somente com ele podemos desenvolver uma harmonia em conjunto. Devemos sim em nosso lar, ler e meditar, pois é com ele que vamos guardando em nossa alma as impressões de melhora durante o transcurso do dia a dia, as lições que nos surgem.
Todos do grupo a cada sábado estão mais sintonizados entre si, pois a paz e alegria do reencontro tornam a tarde muito agradável e de muito proveito.
Importante frisar que somente se podem alcançar os objetivos quando todos estão de alguma forma com as mesmas idéias e ideais para um bem comum, o auxilio ao próximo e aprender com eles.
O grupo desta forma busca o entendimento fundamental que é a mediunidade, mas percebo que os estudos estão muito alem disso, afinal de que adianta ter uma mediunidade em plena atividade, sem a condição moral e entendimento para direcioná-la com a orientação de Allan Kardec e o auxilio de Jesus? Nada adiantaria e realmente seria uma perca de tempo.
Assim fica clara a ajuda e orientação que todos estamos recebendo do plano espiritual, mas sem o esforço da mudança de cada um, nada disso será valido.
Como de costume, procuro chegar uns 30 minutos antes da reunião para poder ler um pouco e meditar melhor sobre o assunto. Sempre procuro todos os dias manter uma sintonia e harmonia, é difícil e nem sempre isso é possível, mas essa semana achei interessante que nada aconteceu que pudesse mudar esse sentimento de logo chegar o sábado para reencontrar todos e auxiliar na medida do possível.
Demos inicio aos estudos, devemos sim buscar melhora em tudo, melhor condição de vida e em primeiro lugar o conhecimento e a importância de entender que cada pessoa é seu universo. Então como a escuridão é apenas a ausência da luz, magoa é a ausência do perdão, o ressentimento e os melindres que às vezes nos acometem é pura e simplesmente a falta do perdão. Enquanto não colocarmos o perdão, amor, fraternidade dentro de nossos corações, andaremos com a ausência da luz em nosso espírito.
Entendo ser complicado não nos sentir ofendidos, magoados, até mesmo em certos momentos injustiçados, mas são provas para nos fazer meditar e avaliar nossa conduta e lembrar um dos grandes ensinamentos do Mestre, “Quem não tem pecado, que atire a primeira pedra”, é como dizer, “Quem nunca ofendeu, magôo alguém, que não perdoe”.
Temos que saber de verdade aproveitar as oportunidades e reconhecer que somos falhos, que ainda nos “arrastamos” nessa matéria densa, pesada e cheia de falhas trazidas de séculos e séculos de vícios e mazelas. A cada dia, a cada hora, minuto, nos surgem oportunidades que nos fazem refletir sobre nossas próprias atitudes e devemos na media do possível perceber, meditar e mudar.
No momento em que estava analisando os estudos, leitura e comentários do grupo, percebi que a parede em minha frente havia digamos assim, dilatado e vi ao invés da rua, um grande jardim e com um gramado muito verde, vindo a nossa direção um senhor que adentrou na sala, senti nesse momento como uma leveza em meu espírito, notei que vários raios de luz eram direcionados aos participantes “encarnados”. Foi quando neste momento o Roberto, que coordena o grupo mais falou exemplificando o tema. Quando percebi, havia novamente mudado o ambiente da sala e com mais pessoas “desencarnados” que “encarnados”, onde alguns do grupo de trabalho da casa estavam se colocando em posição para liberar a grande fila que se fazia fora da sala.
Quando estava procurando observar o que ocorria, a sala ficou muito clara, com uma luz muito intensa e já não conseguia ver mais nada. É como se tudo ficasse muito branco e muito claro e logo em seguida, não senti mais meu corpo, como se também não estivesse mais na sala. Foi quando pude ver aqueles que vinham à casa dos hospitais da região, que ainda se acreditavam em macas de hospitais com a aparência ainda doente, alguns inclusive com dificuldade na respiração e a movimentação de enfermeiros no auxilio, outros utilizando equipamentos nos doentes.
Na verdade caro leitor [a], não sei se realmente estava no plano espiritual da casa espírita ou se fui direto para um hospital, mas pude perceber o quando é imprescindível que mudemos, estudemos e auxiliemos.

1 Comentário

  • Maurício, nem tenho muito a dizer, a não ser que este relato foi emocionante e suas inspiradas palavras falam por si mesmas, não necessitam nenhum acréscimo nem comentário. Creio mesmo que no momento em que o escrevia, Deus lhe tocava o coração. Parabéns e continue a ser esta pessoa iluminada. Dani.

Deixe seu comentário para Daniela