Ciência ou Religião?

 Dez anos sem Chico Xavier

Por Luiz Fernando Costa Moreira

Com quem falamos? Sobre o que falamos? Com que finalidade falamos? A pergunta 425 de O Livro dos Espíritos é clara: “O sonambulismo natural tem relação com os sonhos?  Como explicá-lo?” Os Espíritos Superiores que, na edição do Centenário traduzida por Herculano Pires, são definidos pelo filósofo como o “(…) abismo desejoso de se revelar ao homem (…)”, esses irmãos,  “professores” da humanidade, respondem a Kardec: – “(…) A alma tem percepções que não atinge no sonho, que é um estado de sonambulismo imperfeito.”

Quando vemos tantas discussões, espíritas ou não, sobre a  relevância da ciência sobre a religião ou desta sobre a outra, pergunto-me: Isso é realmente importante ou, pela filosofia, neste caso a corda esticada entre as duas oposições de nossa figura, o próprio Kardec resolveu os problemas de forma satisfatória? O espírita estuda a Codificação? Isso é com cada um nós…

Há 10 anos Chico Xavier voltou ao Plano Espiritual. Certa vez, ouvindo bela música religiosa, pensando em uma das releituras que fiz de Paulo e Estevão, e, igualmente pensando sobre a  Caridade à Luz do Evangelho Segundo O Espiritismo, em seu capítulo 15, misturando tudo isso com muita emoção, tive uma visão: Pensei ter visto uma ceia apostólica; João, que já reencarnou como Francisco de Assis, Paulo tendo também animado Lutero, os demais apóstolos e o próprio Jesus ao lado de Allan Kardec – todos em um banquete espiritual de sorrisos e braços abertos para receber o amoroso discípulo de Pedro Leopoldo e Uberaba.

“No sonambulismo, o Espírito está na posse total de si mesmo”, prosseguem os Espíritos. A Terceira Revelação está se revelando cada vez mais necessária à humanidade, ao Brasil, a cada um de nós: como prosseguir discutindo importâncias relativas, sem refletir e mergulhar na importância das milhares e milhares de páginas psicografadas pela renúncia do apóstolo que conhecemos, Chico Xavier? Literatura de rara beleza, refletia (reflete e refletirá por séculos…) sobre a realidade espiritual como se a matéria, antecipando inclusive o ponto de vista da física quântica, fosse apenas transitória criação mental pouco duradoura; contudo, nesses escritos ainda tão pouco esmiuçados, a matéria – bem como as paixões – é vazia de significados imortais.

A mediunidade de Chico, através da obra de André Luiz, Emmanuel e Irmão X, mostra claramente que, entrando pelo útero materno, materializamos um corpo, um traje, reflexo de nosso pensamento em evolução nos milênios passados, de acordo com nosso Carma. Não pode ser desprezado esse corpo, mas também não deve ser objeto de apego; é valiosíssimo instrumento na conquista de bens imortais.

Através das eras, programamos ampliações desse entendimento… De certa forma, somos, enquanto esquecidos da realidade ulterior de sermos almas imortais, como que “sugados” pelo rodamoinho material, biológico, da reencarnação (MAMÃE, me salve!). Despertamos pouco a pouco, pela dor, para o amor que nos criou. “Estamos” atores em uma grande tela 3D, com quatro dimensões, porém – não esqueçamos do Tempo! Acho que virei um sonâmbulo acordado por causa desses livros: Espiritismo, de certa forma, é mesmo uma loucura, tanto quanto o amor…

Se a ciência atenua as dores, a religião consola quando não é possível a cura. Se as terapias evoluem, a revelação divina se faz, eventualmente, como na aparição de Jesus para Paulo, ou de Estêvão e Abigail para o Apóstolo dos gentios. O que poderia ser julgado esquizofrenia por nossa ciência, alucinação religiosa, e nisso, claro, os ortodoxos de outros credos também se juntariam, é explicado, racionalmente, pela filosofia espiritualista que Kardec nos presenteou como Doutrina Espírita.

O Banquete daquela minha visão? Foi muito emocionante imaginar, talvez num episódio insólito para mim, um sonambulismo recordado em vigília na minha pequena cabeça de homem  falho: O Banquete não era o de Platão, nem dos políticos atuais; nem o da Ilha Fiscal, nem dos endinheirados da Suiça, não. Era o famoso quadro da Santa Ceia de Leonardo Da Vinci, ampliado contudo, com anjos e seres espirituais de tantas eras retratados nos livros do médium incomparável. Milhares de seres que vinham receber o nosso saudoso e, infelizmente, quase desconhecido Chico, se levarmos em conta a clareza que ele revelou haver nas relações entre ciência e religião; mesmo os espíritas o lêem pouco, perdendo uma oportunidade abissal de mergulharem no oceano interior de atos e fatos sobre os quais precisam refletir.

Mas que importa? Com quem falamos? Sobre o que falamos? Com que finalidade falamos? Na espiritualidade, um dia veremos  – Só a Caridade, exemplificada pelo saudoso médium, pode, realmente, nos salvar.

Referências:

O Livro dos Espíritos, Ed. LAKE. 33ª ed.1974;

Paulo e Estevão, Ed. FEB.21ª ed.1984;

O Evangelho Segundo o Espiritismo, Boa Nova editora,2004.

5 Comentários

  • Doutor em Ciências (UFRJ) opina em:

    UNIVERSIDADE E ESPIRITUALIDADE (Entre Teses das Ciências e a Fé Quotidiana)

    Num Núcleo Espírita Universitário (NEU) onde há carência de tempo, qual a opção?
    Ocupados com aulas, administração e pesquisas, estamos mais para Marta.
    Produzir e/ou examinar resultados experimentais ou privilegiar valores morais, mais difíceis de serem sobrepujados?

    http://orebate-jorgehessen.blogspot.com.br/2011/11/universidade-e-espiritualidade-entre.html

  • O Espiritismo é constituído como uma base de estudo das Leis Naturais, pre-existentes à Codificação, que visa detonar um processo mais acelerado de evolução aos Seres que encarnam na forma humana, neste planeta. Os condicionamentos milenares nos induzem a classificá-lo como uma Religião…Constataremos, quando avançarmos um pouco mais em percepção, que prescindimos dos antigos paradigmas…A Ciencia avança e as religiões atuais se tornarão obsoletas…A religiosidade natural é a meta a ser alcançada por todos nós.

  • A experiência mostra que os sanâmbulos recebem,também,comunicações de outros Espiritos que lhes transmitem o que devem dizer e suprem a sua insufiência.Isso se vê,sobre tudo,nas prescrições médicas:o Espirito do sonâmbulo vê o mal,um outro lhe indica o remédio. Essa dupla ação é,algumas vezes,parente e se revela po outro lado, por estas expressões muito frequentes: dizem-me que diga ou, proibem de dizer tal coisa.Neste último caso há sempre o perigo em insistir para obter uma revelação recusada,porque,então,são apanhados pelos Espiritos levianos que falam de tudo sem escrúpulo e sem se preocuparem com a verdade.

  • Baseado nos estudos espíritas,temos o conhecimento de que espiritismo é filosofía,ciência e religião.Apesar da ciência e religião aínda não estarem andando completamente de mãos dadas,certo é que dia chegará que isto vai acontecer,aí então concerteza a vida no nosso mundo se tornará muito melhor e a evolução do ser humano se tornará mais rápida.Abraços fraternais.

  • Vejo a ciência como bússola neste caminhar que leva ao conhecimento.

Deixe seu comentário para Juli Lima