15 out
2011

Túnel do Tempo – Adão e Eva Angélicos

Luiz Fernando Costa Moreira

lfcmoreira@hotmail.com

Pelas luminosas mãos do inesquecível Chico, André Luiz, espírito, revela-nos seu estado íntimo, sentimentos vagos que assolavam sua alma após sua primeira vitória sobre si mesmo… Em “Os Mensageiros”, a maternal Narcisa antecipa-lhe o estado de tédio que precisaria ser sacrificado… Pelos estudos, ele “encheria sua taça vazia” no Ministério da Comunicação. Aniceto, seu novo guia, apresenta-lhe a Vicente, ex-médico como André, autorizando a ambos serem ampliadas suas percepções magnéticas. Assim começa este belo romance, o lento despertar de nossa alma para as realidades que encontramos após o túmulo…

Luiz Fernando C. Moreira - arquivo VE

Em viagem de estudos, não mais usariam os caminhos pavimentados e meios facilitados de “Nosso Lar” à crosta, não. Desceriam, em meio aos eflúvios tempestuosos que criamos na longa evolução enquanto espécie.  A Segunda Guerra Mundial obrigava as colônias e postos de socorro a receberem parte de seus desencarnados na Europa. Em terras americanas, desafogavam-se as cidades espirituais do Velho Mundo, a fim de que não sucumbissem os sobreviventes de doenças sem fim.

Várias catástrofes naturais anteciparam as que criamos pelas guerras. Para não falar do dia a dia apavorante, a ilusão da paz egocêntrica, celebramos, através do consumismo exacerbado da atualidade, os proféticos fim dos tempos… Com ou sem hífen? Desculpem-me a falta amados leitores, caso haja mais de um…

Em bilhões de anos, quando Jesus já guiava outras humanidades, estromatólitos criaram oxigênio para a atmosfera terrestre ; cataclismos cósmicos, meteoros colossais atingiam, de “tempos em tempos”, nossa fina crosta que, pressionada a partir do núcleo por gases e lavas incandescentes, explodia como um balão de experiências nas mãos de anjos e arcanjos, coordenadores sábios das leis universais.

Lentamente, após extinções que levariam 70%, 80% da vida – houve uma que levou 95% – tecidos, nervos, músculos, olhos, nadadeiras, uma infinidade de diferenciações celulares se moldavam; enquanto isso, as relações entre seus habitantes igualmente se estabeleciam vigorando, até hoje, a lei do mais forte, ou melhor, do mais adaptado…

O caso humano, psicológica e espiritualmente falando, segue essa direção, tanto como herdeiro da animalidade como semente da autoconsciência. Sua herança na eternidade depende dos vínculos que, também lentamente, estabelece, racionalmente, com sua imortalidade. Do átomo ao arcanjo, como diz Ramatis, em O Evangelho à Luz do Cosmo!

Adão, o espírito humano, deve reencarnar centenas, milhares de vezes em diversos planetas-escola; a solitária Eva, a grande esquecida de todos os tempos, é a alma humana, por vezes obrigada a separar-se dos entes queridos para exercício de fé. Assim nos ensina Aniceto através de André Luiz por meio do saudoso Chico Xavier. Kardec, mensageiro do Espírito de Verdade e de Jesus, também está entre todos os que cultivam o jardim do Éden da espécie humana na Terra…

Faz um pouco mais de 70.000 anos, éramos pouco mais de 600 indivíduos férteis. Sim, de fato, o homo sapiens atual descende desses poucos sobreviventes… Eles (nós?) precisavam se unir, se entenderem como grupo, para se adaptarem á alimentação de mariscos e peixes, e quem sabe, criar seus filhos entre as rochas e o mar, ao sul da África do sul.

Pouco a pouco, vamos detalhando, para nós mesmos, nossa longa caminhada. As atuais necessidades humanas são as mesmas, desde tempos imemoriais, em que o Cristo de Deus esteve entre nós. Ele citou também, em sua oração derradeira, a angustiada passagem da alma pela porta da morte, no horto do Getsêmani.

Até hoje, mesmo ante as evidências do aquecimento global, não entendemos que a Crucificação de Jesus foi um pavoroso crime coletivo decorrente do desenfreado egoísmo. Ele nos perdoou do alto da cruz, onde os Anjos o retiravam em Espírito, do corpo de carne a que tanto estamos apegados…

Tudo indica que, pelo amor ou pela dor, seremos conduzidos à angelitude; se assumirmos, resignadamente, nosso processo evolutivo individual, apreciaremos, cada vez mais, a ampliação dos sentidos corporais. Encarnados ou não, experimentaremos, entre estudos e trabalhos no bem coletivo, a graça de estados conscienciais prazerosos  renovados, em substituição aos antigos, ditos carnais.

A Doutrina dos Espíritos é esse bisturi que, pouco a pouco, libera esse novo homem, centelha divina, aprisionada em nós. Claro que o machismo linguístico nos obriga a lembrar que falamos da espécie humana…

Adão, o espírito eterno, destinado como fruto da Árvore da Vida evolutiva da Terra, deve comer também da árvore do conhecimento, o autoconhecimento. O espírito peca porque não conhece as leis universais do amor; inscritas no livro da vida terrestre, essas leis foram resumidas pelo martírio, pela renúncia ao ego, na cruz erguida pelo orgulho animal. Em cima do Gólgota, a caveira, ficou resumido o percurso de milênios que precisamos para entender aquele dia, do Calvário.

Eva, condenada a parir em dores, foi confundida, até hoje como a responsável pela queda angélica… A alegoria finalmente pode ser renovada, pela Consoladora Doutrina Espírita.

Ave Cristo Consolador! Como naqueles dias que o Senhor estava entre nós, saudamos a longa estória evolutiva, passada e futura, com os sentidos ampliados e a convicção no Evangelho Universal. O fim desse reino animal em nós foi iniciado pelo Teu sacrifício que, em última análise, foi um ato coletivo criminal.

Adão e Eva, angélicos, surgirão como conseqüência natural da evolução, tanto material quanto espiritual. O processo é longo e, por vezes, abrupto, como um buraco nas estradas do espaço e do tempo. A Terra segue, a mais de cem mil quilômetros por hora, todos os anos, há bilhões de anos: Nossa trajetória é complexa, mas as esferas de desenvolvimento espiritual são quase infinitas! Em A Gênese, veremos com Kardec que, nossos destinos rumam para o eterno e, quem sabe, um dia, não seremos nós que veremos, por um túnel de luz, uma humanidade, amedrontada e enlouquecida pregar um simples corpo mortal, nós mesmos em sacrifício sideral, liberando o amor infinito em forma de compaixão. Pedir a Deus por todo um planeta, o sublime amor evangélico em forma de perdão…

Até nosso próximo passeio pelo Túnel do Tempo!

7 Comentários

  • Eu…também caí nessa ridícula história.Estudando Teologia fiquei mais pateta sobre o assunto.Mas minha alma disse-me: será???? e no Espiritismo ,então,estudando melhor a coisa fiquei a saber da verdade…uma loucura!

  • Muito bom! Esclarecedor. Abraços Fraternais

  • Parabéns Luiz Fernando pelo seu artigo, é muito bom voltar no tempo, mas com o conhecimento espirita atual.
    Muita Paz

  • Cara Luis Fernando, estou encantada com teu texto,muito bem elaborado e muito coerente, grandes verdades faladas de forma singela e de forma a prender o leitor, parabéns não só pelo texto como também da mensagem que oculta, parabéns mesmo, abraços Luconi

  • A todos vocês que apreciaram este passeio pelas estradas do espírito, sinto-me, desde já, alimentado pelo banquete de alegrias servido pela jovial sinceridade de vocês.
    Queridos, não desistam de novos convites que seus protetores fazem todos os dias, a cada momento…
    No fundo, a encarnação na Terra é um sonho – só a beleza é real.
    Sigamos em paz esta suave atração que o Mestre da Eternidade,eternamente nos envia. Vivemos o grande momento esperado da volta de Jesus; Ele está voltando e regenerando sua própria criação – nós – sofredores que agora sentem a utilidade do sacrifício pessoal.
    Até mesmo esta rede tecnológica que envolve o planeta é uma oportunidade a mais para todos nós; ao lado da Doutrina é também a Internet o embrião das relações humanas na Terra regenerada, a Israel Bíblica.A Jerusalém celestial é esta humanidade de boa vontade, eu, vocês, e todos os que podemos ajudar com nossos trabalhos diários de gratidão a Jesus pela oportunidade consciencial rumo aos mundos sublimes. Obrigado pelo carinho, até a próxima!

  • Profe, tudo que vc escreve, ou faLa é crescimento para mim, o estudo ao seu lado fica mágico, por isso escreva e eleve os que precisam aprender, abraços a todos.

  • […] Chico Xavier, Moral Espírita 6 comentários […]

Deixe seu comentário para Edilene Silva