29 out
2015

Viver hoje com Jesus

Sem mesmo sairmos de nosso círculo de convivência com nossos familiares, percebemos que a maioria das conversações se resume em queixas lamuriosas, falas de indignação diante dos quadros de violência que tanto a mídia alardeia, mas que, também nós estimulamos, presos a elas; comentários de desalento, de falta de esperança em dias melhores e por aí afora.
E, diante desse quadro de total falta de esperança, perguntamos: Quais teriam sido as experiências vividas na alma daqueles primeiros cristãos, que se entregavam às feras, às fogueiras, cantando? O que experimentaram para viver no mundo, fora do próprio mundo? Podemos afirmar: Mudaram seus objetivos e o sentido da existência.
Séculos se passaram, mas as suas boas obras resistiram e continuaram a espalhar nos homens simples a semente do Evangelho Imortal.
Quantos exemplos deixaram para ser seguidos?
Jesus-conversando-com-criancinhaQuantas criaturas conduziram ao Rebanho do Bom Pastor?
Hoje, viver com Jesus, é ainda muito difícil…
Se os sacrifícios físicos a que foram submetidos essas criaturas desapareceram, hoje, as dificuldades estão dentro do próprio homem e não mais fora dele. Como resistir aos próprios impulsos? Como vencer as tentações, as ilusões, a vaidade, o orgulho? Esses são os grandes desafios. Não mais as feras, mas, o próprio homem e suas mazelas.
O problema está em não querermos hoje sair do comodismo, em renunciar à satisfação dos prazeres sensoriais, de tudo o que nos é pertencido e que muito nos agrada, como os vícios, por exemplo.
Quantos aceitam o sofrimento com resignação, por entenderem que “os aflitos serão bem-aventurados e consolados?”.
Quantos resistem às tentações do orgulho por desejarem cultivar a humildade, na compreensão de que os “pobres de espírito serão bem-aventurados e deles será o reino dos céus?”.
Quantos atenuam a violência ou moderam as agressões e ódios por esforço deliberado que “os brandos e pacíficos herdarão a Terra?”.
Quantos abdicam de seus discursos inflamados e procuram minimizar a miséria do mundo, não apenas pela esmola, mas proporcionando aos pobres e fracos, melhores condições de vida, em renúncia ao muito que possuem, por entenderem que “Fora da Caridade não há salvação?”.
Assim, continuaremos como somos, até que as crises econômicas, os saques e os assaltos, a corrupção, a destruição e as guerras fratricidas nos façam mudar a estrutura que edificamos pela exaltação do orgulho e do prazer.
Como ouvimos amiúde: muitas cabeças irão rolar… Ao avaliarmos o grau de intolerância, vingança, ira, enfim, de desamor que permeia o mundo moderno, muita dor iremos experimentar.
A nossa grande esperança é fazermos a nossa parte, o melhor possível, fazendo hoje com Jesus, as transformações lentas para o novo amanhã, que se inicia dentro de cada um de nós.
Como bem assevera Léon Denis, em sua obra “Depois da Morte”, quando comenta sobre Fé, Esperança e Consolações: “A Fé é mãe dos nobres sentimentos e dos grandes feitos. O homem profundamente firme e convicto é imperturbável diante do perigo, do mesmo modo que nas tribulações. Superior às lisonjas, às seduções, às ameaças, ao bramir das paixões, ele ouve uma voz ressoar nas profundezas da sua consciência, instigando-o à luta, encorajando-o nos momentos perigosos”.
Assim, deixemos de lado as más palavras, o desânimo, a inércia e voltemo-nos para dentro de nós mesmos, procurando aquela essência Divina que está no âmago de nosso ser, aguardando o despertamento e confiemos sempre, pois no leme do barco da vida, está Jesus, nosso Governador planetário.
Martha Triandafelides Capelotto – Divulgadora do Espiritismo.

2 Comentários

  • Sensacional, inclusive gostaria de continuar sendo alvo das futuras remessas, para que possa redistribuir aos integrantes do nosso CE Irmão Emmanuel, em Foz do Iguaçu, como já o fazemos com inúmeras publicações que lançamos todos os domingos, no que intitulamos “Momento Espírita Centro Irmão Emmanuel”. Caso haja interesse em receber, nos envie um e-mail para contato. Que a bênção do Criador esteja com vocês.

  • Muito bom,nos leva a repensar nossas atitudes quando dizemos ser cristão dessa ou daquela religião.
    Temos que ler este texto todo os dias para refletirmos sobre nossos atos e tentar sermos criaturas melhores.

Deixe seu comentário para Carlos Alberto Morgado Galetti