13 ago
2013

Assassinato da família paulistana e o ensinamento espírita

Por: Wellington Balbo – Bauru SP

Wellington Balbo - arquivo VE

Wellington Balbo – arquivo VE

Alguns acontecimentos abalam toda a sociedade  e chocam a opinião pública tamanha frieza e crueldade dos seus protagonistas. E a mídia, claro, faz seu papel de informar, algumas vezes de forma correta, outras de maneira bem sensacionalista, o que colabora sobremaneira para que se crie bandeiras, times, com algumas pessoas torcendo fanaticamente contra e outras a favor dos protagonistas da notícia em voga.

Culpado! Dizem alguns.

Monstro! Asseveram outros.

Foi este ou aquele! Afirmam precipitados.

No entanto, a verdade não raro está oculta, encoberta por uma bem tramada história. E vamos nós no embalo a emitir julgamentos com pálidos conhecimentos do que de fato ocorreu.

A  Doutrina Espírita, porém, tem o papel e dever  de dar o contraexemplo em face das notícias sensacionalistas e acordar as pessoas para a realidade.

No caso da família da zona Norte de São Paulo que teve todos os seus membros assassinados de forma brutal no último dia 5 de agosto de 2013 e suspeitas de que foi um jovem de 13 anos o autor de tamanha barbárie contra a própria família, o que diz o Espiritismo a respeito de fatos como este?

Bem, tendo Jesus como modelo e guia o Espiritismo ensina que, embora não seja proibido ter opinião, é preciso, ao externalizá-la, usar a caridade e o não julgar. Exatamente! Não julgar, porquanto não conhecemos a verdade, não sabemos mesmo se foi o garoto o autor do crime, e diante de nossa ignorância não podemos emitir palavras apenas por emitir, sem compromisso com a caridade, ou pensamentos que só irão afetar os envolvidos em tão trágico acontecimento.

Somos seres que pensam, e nosso pensamento tem enorme poder, atingem o outro, colaboram ou ajudam a desestabilizar almas que já estão em conflito.

Allan Kardec comenta em A Gênese: “Que um homem tenha, por exemplo, a idéia de matar um outro, por impassível que seja seu corpo material, seu corpo fluídico é posto em ação pelo PENSAMENTO do qual reproduz todas as nuanças; ele executa fluidicamente o gesto, o ato que tem o desejo de realizar; seu PENSAMENTO cria a imagem da vítima, e a cena inteira se pinta, como num quadro, tal qual ela está em seu espírito.”

Observe que temos grande responsabilidade sobre o que pensamos, as atitudes têm início sempre em nossa mente. Daí porque devemos ter a prudência para não lançarmos dardos mentais aos espíritos envolvidos em acontecimento tão doloroso. Infelizmente nossos pensamentos são um tanto quanto indisciplinados e nada caridosos, e em face de atitudes infelizes dos outros lá estamos nós a lançar nossos julgamentos, não raro impiedosos.

Qual a postura de um cristão?

A de tranqüilidade evitando qualquer exasperação e, se possível, orar para os envolvidos, a fim de que a prece feita de coração possa alcançá-los e suavizar um pouco suas dores.

Se procurarmos praticar a empatia, ou seja, nos colocarmos no lugar do outro, verificaremos que fatos assim podem acontecer em nossa família, com nossos afetos. Como, então, gostaríamos que os outros agissem? Urrando palavras de ódio, afirmações sem certeza da verdade? Ou preferiríamos que guardassem silêncio ante nossa dor e nos respeitassem, orando para que o tempo auxilie-nos a superar tão intrincado drama?

Obviamente que quereríamos a caridade, a postura serena e cristã.

Recado dado.

Não sabemos o dia de amanhã, não sabemos o que nos espera e o que o futuro nos reserva.

O notável Shakespeare tem pensamento interessante:

“Deixe vir o que me aguarda”.

O que será que nos aguarda no futuro?

Definitivamente não sabemos. Sabemos apenas que necessitaremos da caridade alheia, de preces e muito amor para superarmos os nossos próprios desafios.

Pensemos nisto.

4 Comentários

  • O que gosto dos textos de Wellington é a forma simples, verdadeira e coerente com a Doutrina e, obviamente os ensinamentos do Mestre. Realmente, nossa postura deve ser a de silêncio caridoso e respeito a estes nossos irmãos que neste instante, precisam mais de preces e orações do que de possívels julgamentos….Com certeza toda a verdade vai surgir…

  • Gostei bastante do Comentário do Irmão, e realmente temos o Péssimo costume de fazer Julgamento Apressados e Precipitados, temos que ter Bastante Cuidado e a Doutrina através dos Ensinamentos de Kardec, nos adverte para esses Detalhes…Um abraço Fraterno em todos…

  • Devemos esperar, mais cedo ou mais tarde, virá toda a verdade, sem fazermos julgamentos precipitados, e o próprio Jesus Cristo, mostrará ao homem toda a verdade, para que se faça a justiça necessária, sem anteciparmos as nossas opinióes, que muitas vezes,não são corretas. Vamos aguardar com calma, que tudo será esclarecido. A justiçs divina virá com toda a certeza, basta ter fé.

  • o meus deus quanta maldade fico muito triste de tantas coisas ruins acontecendo , falta de jesus no coração quando sera que o povo vai enxergar que jesus esta tão proximo e não escutam teu chamado ? ate quando ? mas, tenho certeza que tudo isso vai ter um bom final . a justiça divina não falha .

Deixe seu comentário para selma