23 mar
2010

Filme sobre Chico Xavier busca os não espíritas

ANA PAULA SOUSA
da Folha de S.Paulo
Os produtores de “Chico Xavier” repetem, feito mantra, que não fizeram um filme espírita. “Tomei cuidado para que não fosse doutrinário”, diz o diretor Daniel Filho. “O filme, antes de qualquer denominação que possa segmentá-lo, é uma cinebiografia de uma das personalidades mais conhecidas e queridas dos brasileiros. Foi feito para ser visto por todos que gostam de uma belíssima história de vida”, emenda Carlos Eduardo Rodrigues, diretor da GloboFilmes. Daniel Filho diz, inclusive, que buscou colocar no roteiro todas as perguntas que ele próprio, não espírita, faz a si.
Mas, intenções à parte, “Chico Xavier”, construído sob uma atmosfera de fé e marcado pela adesão emocional ao personagem, é um filme que requer, do espectador, um pacto que passa pela crença. Das cartas enviadas pelos desencarnados — a palavra morte não é utilizada — às aparições do espírito Emmanuel são muitas as cenas retocadas pelo sobrenatural.
Os fios da história são puxados a partir da entrevista que Xavier, morto em 2002, aos 92 anos, concedeu ao programa “Pinga Fogo”, da TV Tupi. O vaivém no tempo abarca três fases: infância (Matheus Costa), início da vida adulta (Ângelo Antônio) e maturidade (Nelson Xavier).

Esse projeto era acalentado desde 2004, quando o distribuidor Bruno Wainer comprou os direitos da biografia “As Vidas de Chico Xavier”, de Marcel Souto Maior. Conseguiu, rapidamente, a adesão da GloboFilmes e da Sony. Mas faltava ao filme uma alma. Ou duas: roteiro e diretor. “Por divergências de visão, não chegávamos a um acordo sobre o diretor”, conta Wainer. Nome vai, nome vem, chegou-se a Daniel Filho, até então apenas produtor. Com essa solução teve início outro problema: o roteiro. Foram tantas as versões que até um thriller surgiu.
“Tentei fazer com que tivesse o tom do livro. O filme tem o ponto de vista do Chico, quando ele conta o que apenas ele via, ouvia e sentia”, diz Filho. É esse ponto de vista que, esperam os produtores, pode garantir ao filme um público mais amplo. “O filme do padre Marcelo [“Maria, Mãe do Filho de Deus”] tinha um aspecto doutrinário. “Chico” não tem”, compara Braga, da Sony.
O interesse da distribuidora hollywoodiana no projeto é, digamos, anterior ao próprio projeto. “Os livros religiosos são tão bem vendidos que sempre me perguntei por que não viravam filme.”
A prova de que esse filão adormecido tinha potencial veio com “Bezerra de Menezes” que, lançado sem alarde, fez quase 500 mil espectadores. Mas será que quem rejeita o espiritismo verá “Chico Xavier”? “Não sei”, responde Braga. O executivo assinala, no entanto, que filmes “sobrenaturais” costumam fazer sucesso no Brasil. “Filmes como “Ghost” e “O Sexto Sentido” fizeram especial sucesso aqui.”
Atrás do público que, mais do que ao cinema, costuma ir à barraquinha do camelô, o filme não só terá sessões especiais em Uberaba (MG), onde fica o museu Chico Xavier, e Pedro Leopoldo (MG) sua cidade natal, como aproveitará as frestas abertas pelo centenário do personagem. Só a GloboNews tem quatro programas sobre Xavier previstos para março. É o mais famoso médium brasileiro chegando à era da “convergência”.

Então, O que achou?