13 fev
2012

A Teia da Adulação

“Melhor é ouvir a repreensão do sábio do que ser enganado pela adulação dos insensatos.” (Eclesiastes, 7:5)

 

No alto de uma árvore, um corvo segurava no bico um pedaço de carne.

Uma raposa, atraída pelo cheiro, aproxima-se e se lhe dirige a palavra:

– Ei! Bom-dia, senhor corvo! Como o senhor está lindo! Como é bela a sua plumagem! Se o seu canto for tão bonito quanto ela, sinceramente, o senhor é o fênix dos convidados destas florestas.

E para mostrar sua “melodiosa” voz, abriu o bico e deixa cair a presa.

A raposa se apodera da carne e diz ao corvo:

– Meu bom senhor, aprenda que todo adulador vive à custa de quem o escuta.

Esta lição vale, sem dúvida, pela carne que agora comerei.

O corvo, envergonhado e aborrecido, jurou, embora um pouco tarde, que nunca mais se deixaria levar por elogios.

Nesta pequena fábula, temos importante advertência para muitos de nós que nos deixamos influenciar pelas seduções, elogios e adulações.

Primeiramente, há que se fazer a distinção entre essas terminologias que se permeiam entre si, começando pelo elogio que é um dos mais fortes aliados da sedução e que serve frequentemente na “arte da adulação” quando se pretende atrair e conquistar coisas ou pessoas. Assim, a lisonja tem como objetivo primordial evidenciar qualidades que não existem, expressão acentuada que emoldura reais ou fictícias qualidades, ações ou feitos de alguém.

“Adular é exaltar de forma exagerada os feitos ou o modo de ser de um indivíduo para a obtenção de favores e privilégios. É a capacidade de convencer com artimanha, persuadir com astúcia, sob promessa de vantagens, aplausos e engrandecimento, pessoas submissas à vontade de outrem ou dependentes da opinião alheia.”[1]

Existem várias formas de envolvimento através das teias da bajulação e são inúmeras as táticas da sedução, que vão desde as pequenas expressões e entonações especiais ao se movimentar o corpo, mãos e braços até ao se pronunciar uma breve frase aparentemente sem intenção, que, se analisados nas entrelinhas, guarda-se um intuito ardiloso.

E como isso se processa em nossa intimidade? Necessário se faz avaliarmos o grau de persuasão ou intenção do sedutor, ou seja, a força e a intensidade que serão lançadas à criatura suscetível à sedução. Também se faz necessário verificarmos a suscetibilidade do seduzido, porque, na maioria das vezes, ele, o seduzido, tem em sua intimidade uma predisposição para ceder a esse tipo de influência e se deixar contaminar pela adulação. Aliás, é a suscetibilidade do seduzido que permite o envolvimento.

O aplauso ou o elogio que ele busca pode ser fruto de privação emocional ou falta de auto-aprovação na vida pessoal. Sua carência de autovalorização é atenuada com manifestações de enaltecimento. Mais cedo ou mais tarde, uma onda de fracasso o envolverá, porque nem sempre conseguirá demonstrar sua superioridade e acabará se frustrando. Assim como no estelionato, onde houver uma “raposa”, sempre haverá um “corvo” seduzido.

Quem adula suborna o outro e subornar não é simplesmente comprar com dinheiro algo ilegal, mas também dar qualidades fictícias, servir-se das fraquezas alheias, adulterar as possibilidades dos outros com manifestações exteriores totalmente falsas, com o intuito de tirar vantagens.

Importante ressaltar que há uma diferença incondicional entre adulação e admiração, pois quem admira não adula. O ser amadurecido impõe respeito e não cede diante da adulação.

Assim, fiquemos atentos a todos esses modos de desvirtuamento das possibilidades reais que habitam o nosso ser, não nos enganando com virtudes que ainda não granjeamos.

[1] La Fontaine e o Comportamento Humano

[Martha Triandafelides Capelotto – Divulgadora do Espiritismo]

6 Comentários

  • Parabéns Martha, foi maravilhosa sua iniciativa de falar da adulação, febre que movem nosso mundo interior e trás muitos males a nossa vida!
    Abraços fraternos,

    Nadir

  • Necessário se faz que o ser humano não se deixe levar pela adulação,pois a maioria de nós aínda não estamos preparados para receber elogios com a humildade necessária a não nos deixarmos engrandecer.Engrandecimento êste que só nos trará mal desvirtuando a nossa evolução.Parabéns Martha.Que a paz de Jesus esteja sempre com você.

  • Devido a nossa inferioridade espiritual,nós ainda almejamos ainda algum tipo de elogio,pois as vezes ela nos da a força necessaria para seguirmos em frente

  • Gostamos de ser adulados será porque somos ainda orgulhosos, queremos parecer por fora o oposto do que realmente somos por dentro.
    Muito bom este artigo nos faz refletir, parabens.

    Muita Paz a todos.

  • nós ainda somos muitos orgulhosos, mas vamos apredendo.

  • Boa tarde! Reflexivo alerta.
    O sábio aprendeu a distinguir
    o conteúdo da “embrulho”.

Então, O que achou?