Escravo do Elogio


Wellington Balbo – Bauru – SP.

 

 

Renato começava a se destacar no palco da vida.

 

Eram aplausos, elogios, tapinhas nas costas, bajulação…

 

Não tardou para que o pomposo rótulo de estrela  aparecesse como uma espécie de sobrenome.

 

Sua opinião era sempre respeitada, suas frases tornavam-se chavão e seu comportamento começou a ser imitado por infindável número de pessoas.

 

Logo, Renato por ser tão requisitado começou a sentir-se o Dono do Mundo.

 

Passou a considerar-se insubstituível.

 

Um “Escolhido”, era assim que se intitulava.

 

Embriagado pelos elogios, passou a ter devaneios, julgava-se infalível e queria moldar todos a seu modo.

 

Quem não pensasse como ele estava errado.

 

Quem não lhe imitasse estava “fora de moda”.

 

Seu jeito de falar – O Melhor.

Sua maneira de ser – A mais Adequada.

Seu sorriso – O mais Bonito.

 

Suas frases prediletas eram:

         Eu disse, eu avisei.

         Se todos fossem como eu  o mundo estaria melhor.

         Para as coisas darem certo, vocês têm que ser como eu sou.

 

Não percebeu que assim perdia sua identidade e  dava largo passo à loucura.

 

Algum tempo depois, o povo e a mídia elegeram outro ídolo.

 

Renato ficou órfão da bajulação, mas não perdeu a pose, continuou querendo moldar todos que o rodeavam.

 

Foi perdendo amigos, namorada, o emprego…

 

Familiares afastaram-se  por não mais quererem conviver com sua arrogância.

 

Hoje, Renato tenta colher aplausos de seus colegas no hospício em que está internado…

 

 

O mundo aplaude, mas também apupa.

 

Os elogios são sementes lançadas ao solo de nosso coração que devem ser cultivadas com todo cuidado.

 

Quem, à semelhança de Renato, deixa-se arrastar pelos elogios perdendo as noções da realidade a considerar-se acima do bem e do mal, habilita-se ao desequilíbrio.

 

Mais prudente encará-los como estímulos para que melhoremos cada vez mais.

 

Diz o dito popular: canja de galinha não faz mal a ninguém.

 

Seguindo as recomendações do adágio popular, nosso Chico Xavier, prudente como um sábio, dizia ser apenas uma formiguinha, das menores, que anda pela Terra cumprindo sua obrigação.

 

O médium agindo assim livrava-se dos inconvenientes de sentir-se a cereja do bolo.

 

Espíritos mais adiantados como Chico tem plena consciência do estágio evolutivo em que estão. Encaram, portanto, os elogios como estímulos para o prosseguimento de sua missão, nada  além  disso.

 

São muitos casos de gente que conheceu holofotes e  aplausos e aprisionaram-se a eles. 

 

Quando cessaram os tapas nas costas caíram em depressão.

 

Faltou a eles o reconhecimento de que somos uma formiguinha, das menores, que anda pela Terra cumprindo nossa obrigação.

 

Chico sabia disso.

 

Para nosso equilíbrio é bom aprendermos também.

 

Pensemos nisso

 

 

1 Comentário

  • Conheci muitas estrelas desse tipo. Gostava tanto de elogios e sentia-se orgulhoso e poderoso . Hoje em dia, nem é mais conhecido pela nossa sociedade aqui em Vitória (ES). Fica trancado dentro de seu quarto, com depressão, aguardando o desencarne.

Então, O que achou?