12 maio
2011

Jesus e vigilância

Para todos os amigos [as]  e leitores [as]  do Visão Espírita

Poucos são os que dão valor devido à vigilância, possivelmente por imaginarem que ela deva ser uma virtude dos piegas, daqueles que não sabem o que querem ou o que fazem, enfim, para os tolos ou para os frágeis.

Olvidam-se ou ignoram que o texto do Evangelista Marcos, no seu capítulo 13, versículos 32 a 37, se faz de grande importância e oportunidade para todas as almas, uma vez que a vigilância está no mesmo nível da oração, tendo-se que de nada adiantará o conjunto das orações na vida de quem não se acautela, de quem não guarda cuidados ou não vigila.
Vigilância no falar… portas abertas para o entendimento.
Vigilância no olhar… afastamento das sombras do pensamento.
Vigilância no ouvir… passos firmes contra a maledicência.
Vigilância no divertimento… vacinação contra o desequilíbrio.
Vigilância na convivência com próximo … ajustamento às faixas da fraternidade.
Importante é que cada pessoa, no seu esforço por ser precavida, atenta aos movimentos da própria rota que empreende, não se acostume ao fato de desmandar-se, de perturbar e ferir, ou de provocar infelicidades, semeando espinhos pelas estradas de todos, impensadamente, vindo a desculpar-se todas as vezes, como se fosse fácil para os outros a virtude do perdão e, para si, difícil fazer-se vigiante com seus gestos e atitudes, falas e desatinos, antes de cometê-los.
Caber aos amigos de Jesus a manutenção dessa indispensável virtude, acautelando-se em relação aos equívocos e aos males, pois ninguém sabe qual será o momento dos acertos com a consciência, ou quando o Senhor nos virá indagar sobre os nossos cometimentos, “se de tarde, se à meia-noite, se ao cantar do galo ou se no amanhecer”.
(J. Raul Teixeira por Francisco de Paula Vítor. In: Vida e Mensagem)

Então, O que achou?