25 set
2012

Ser e não Parecer

Hilário Ribeiro, num dos seus admiráveis livrinhos didáticos, inseriu uma página eloquente cujo título é precisamente aquele que ora nos serve de epígrafe. Trata-se duma gravura representando um menino, de cima duma mesa, que diz à sua mãe: “Veja como sou grande. A mãe então retruca: Meu filho, tu não és, mas apenas parece grande, graças à altura desse móvel onde te achas: procure ser, e não parecer”.
Esta lição, que o emérito educador destina às crianças, é de toda a atualidade, mesmo para os adultos.
Observando a nossa sociedade, inserta num planeta de categoria inferior, ainda de expiações e provas, percebemos com grande facilidade que uma das manifestações mais intercorrentes do orgulho é a vaidade. Algumas facetas mais comuns de sua manifestação poderiam ser destacadas, como apresentação pessoal exuberante, evidência de qualidades intelectuais, não poupando referências à própria pessoa, ou a algo que realiza; esforço em realçar dotes físicos, culturais ou sociais com notória antipatia provocada aos demais; intolerância para com aqueles cuja condição social ou intelectual é mais humilde; aspiração a cargos ou posições de destaque que acentuem referências respeitosas ou elogiosas à sua pessoa; não reconhecimento de sua própria culpabilidade nas situações de descontentamento diante dos infortúnios por que passa; obstrução mental na capacidade de se autoanalisar, não aceitando suas possíveis falhas ou erros, culpando vagamente a sorte, a infelicidade imerecida, o azar e, tantos outros aspectos de manifestação dessa mazela da alma.
A vaidade, em qualquer de suas formas de apresentação reflete, quase sempre, uma deformação de colocação do indivíduo, face aos valores pessoais que a sociedade estabeleceu. A aparência, os gestos, o palavreado, quanto mais artificiais e exuberantes, mais chamam a atenção, e isso agrada ao intérprete, satisfazendo a sua vontade de ser “badalado”. Porém, no íntimo, a criatura reflete, com todo esse comportamento, insegurança e acentuada carência de afeto, provenientes de muitos fatores desencadeados na infância e na adolescência.
Por outro lado, também há que ser destacado que, muitas vezes, a vaidade do homem é profunda, radica-se nos resfolhos recônditos do seu coração. É cruel, é feroz e sinistra em seus malefícios, cujos efeitos, por vezes, separam amigos, destroem povos e arruínam nações. A vaidade do homem tem feito correr rios de sangue e torrentes de lágrimas, deixando rastros de inenarráveis tragédias. O testemunho da história do passado e a do presente comprova a assertiva.
Em o Evangelho Segundo o Espiritismo, obra sistematizada por Allan Kardec, no capítulo V, “Bem-aventurados os Aflitos”, referindo-se às causas atuais das aflições, assim se reporta: “O homem, pois, em grande número de casos, é o causador de seus próprios infortúnios; mas, em vez de reconhecê-lo, acha mais simples, menos humilhante para a sua vaidade, acusar a sua sorte, a Providência, a má fortuna, a má estrela, ao passo que a má estrela é apenas a sua incúria”.
Desse modo, torna-se imperioso que façamos uma análise acurada para identificarmos o tamanho dessa mazela em nós, pois é certo que todos a temos em graus os mais diversos. O vaidoso o é, muitas vezes, sem perceber, e vive desempenhando um personagem que escolheu.
Recordando os ensinamentos de nosso Mestre Jesus proferido no célebre Sermão da Montanha, quando disse: _ bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino de Deus _ lembraríamos que a soberba, sob seus vários aspectos, constitui a pedra de tropeço que embarga nossos passos na conquista dos bens imperecíveis consubstanciados no Reino de Deus.
O mundo admira o fausto, o luxo, a notoriedade, o exterior – numa palavra. Mas o verdadeiro valor está no interior do homem: está no seu caráter, nos seus sentimentos, na sua inteligência, Não é a forma que encerra o valor; é o espírito, é a alma, o eu imortal, sede das faculdades e poderes cuja origem é divina.

16 Comentários

  • Muito bem colocado o comentário. É um lembrete à reflexão, porque estamos sempre nos posicionando para aparecer. Gostamos de ser notados, admirados e elogiados e com isso, esquecemos de trabalhar as qualidades latentes. Valeu-me como um “puxão de orelhas”

  • Muito bommmmmm,maravilhoso,servi pra eu refletir e não me deixar levar pela vaidade,muito obrigada.

  • se fossemos humildes sempre, o mundo teria menos sofrimento e todos seriamos mais felizes. Pois a humildade e irmã da bondade e da caridade, e isso é que une e ajuda a humanidade.

  • Vejo desenhado uma pessoa ao ver este texto! E ao identificar isso nela, me vejo tb! Somos mto parecidos! Mto bom! Adorei!

  • Realmente,parecer não é ser.Parecer reflete o exterior,enquanto que ser resplandesce o interior.Abraçõs fraternos.

  • Maravilhoso este texto ,para fiquemos em alerta, orando e vigiando, não devemos esquecer nunca, de combater em nós tudo que acabamos de ler. abraços fraterno

  • Meu querido irmão em Cristo; muito bem vindo a sua colocação, hoje mais do que sempre,a importancia de colocar as mensagens do Evangelho,como os itens identificados das bem aventuranças,o destaque para a humildade,um dos fatores que deve preponderar nas fileiras espiritas,pricipalmente no que tange o fato de ser médium isto me faz lembrar as diversas obras do querido Bezerra de Menezes, um dos fatores é a obsessão, quando muitos irmãos espiritas chegão as colonias espirituais para tratamneto, justamente por se envaidecer como Médium,isto mostra a falta de humildade no trabalho edificante.Abris uma porta de advertência para muitos que ainda vão trilhar a grande jornada e o aprendizado dos valores do Evangelho.
    Ave Cristo
    Israel

  • Quando as coisas não estão dando certo em nossa vida, se não estão saindo da maneira como sonhamos, está na hora de pararmos e relembrar no que conteceu antes para que chegasse onde chegou. Normalmente, quando as coisas não estão dando certo, significa que estamos fora do rumo e que precisamops mudar alguma coisa ou tudo. Se não ncomnseguirmos descobrir ou mudar, precisamos parar novamente e entregar sua vida nas mãos de Deus. Ele, somente, Ele, sabe o que é melhor para a nosdsa caminhada, aprendizado e evolução. Se conceguirmos fazer isso, Ele e nossos amigos espirituais poderão se aproximar e fazer com que alguma coisa aconteça ou alguém apareça para nos ajudar a atravessar este momento ruim.

  • O homem apega se ao material esquecendo que o verdadeiro reino se faz dentro de nós aonde os tesouros jazem em seu coração.Despertar esse reino a cada passo a cada dia no desenvolver das virtudes no esforço continuo do caminho, seguindo o amado Jesus vencendo as nossas mazelas, são as verdadeiras riquezas que devemos cultivar.Como dizia Paulo , vencer o bom combate, so assim podemos ser realmente Vitoriosos.Reconhecer que diante o ETERNO nada somos e nada temos e que tudo nos é doado por graça do Pai.Enxergar esse amor misericoridoso ja é um passo em direção a essa LUZ

  • Na verdade tudo o que deixamos aparecer é exatamente o que não somos e esta é a realidade,pois o que esta mais a mostra é a nossa mascara,mas as vezes a mascara nos ajuda a enfrentar a realidade pela qual ainda não estamos preparados,pois neste mundo nada é inútil e tem a sua necessidade de ser. Muita paz em Jesus.

  • Adorei a resposta, é difícil aceitar , mas é a realidade. Queria não estar nesse estágio evolutivo, parece que é o pior de todos, onde nos vemos, reconhecemos nossos erros e imperfeições, lutamos para melhorar e parece que nada sai do lugar, está tão cravado em nosso ser essas mazelas que também parece não ter fim, acredito que um dia isso vai passar, Queria que fosse rápido, mas sei que não é assim, só peço a Deus e aos anjos protetores “força”, discernimento e sempre pronta para ouvir a verdade, doa a quem doer, e dói muito no meu ser, vocês me ajudaram muito. enviem sempre para mim essas verdades, me ajudam muito. Obrigado…

  • O menino é inocente, mas o texto merece várias reflexões em torno do assunto. Me lembro de uma frase que diz” “o que mais me impressiona nos fracos é que eles precisam humilhar os outros para se sentirem fortes (Ghandi).
    Muita paz e muita luz para os irmãos.
    Hélio Carneiro

  • Mas é na fragilidade que nos tornamos fortes, eu agradeço constantemente a minha fragilidade e as minhas deficiencias, os meus erros , tudo que vivi, pois sei que é o que vai me compondo..e onde vou aprendendo.Como a semente que germina e busca na terra escura o caminho da luz para florescer..Olhem mesmo nossas deficiencias devem ser consideradas bençãos, pois é através delas que enxergamos nossa pequinez.Como dizia o apostolo Paulo ..é na minha fragilidade que o Senhor me faz forte..( me faz lutar para vencer a mim mesma) Miremos sempre Nós..nosso coração e o caminho rumo as estrelas..um dia chegaremos lá ..com certeza …temos a eternidade para isso.

  • Muito bom o texto, nos faz refletir e pensar que somos assim, sempre mostramos o que gostariamos de ser, mas ainda não conseguimos, pois não somos humildes…
    Muita paz a todos.

  • É verdade, aprendemos com os nossos erros, benditos erros…
    São eles que nos chama a dor, e ela vem, ás vezes forte e poderosa,acordarmos á realidade.As vezes, choramos,gememos, até gritamos, revoltamos,mas, a dor está aí.Bendita dor,ela faz-nos fortes e poderosos. É a lapidação de todos os espíritos de DEUS,isto é de todos os filhos da criação Divina, que somos todos nós humanidade…

  • Obrigado por esse artigo, realmente precisamos está vigilante sempre,sempre e sempre

Então, O que achou?