18 abr
2010

ESPERANTO E ESPIRITISMO



– José Mauro Progiante

 

Como língua internacional neutra, o Esperanto não é patrimônio exclusivo de ninguém. Pelo contrário, é patrimônio comum da humanidade, sendo utilizado como meio de propagação de muitas filosofias, religiões e ideologias políticas.

Grande afinidade encontram no Esperanto as idéias de caráter universalista, como a Doutrina Espírita. Dezenas de obras espíritas já estão vertidas para o Esperanto, entre elas as Obras Básicas da Codificação e muitos dos livros psicografados por Chico Xavier. Através do Esperanto essas obras têm chegado a países cujas línguas nacionais nos são totalmente estranhas e incompreensíveis.

Na literatura espírita deparamo-nos frequentemente com referências ao Esperanto. Em Memórias de um Suicida, o autor espiritual fala da existência de uma universidade de Esperanto no além; Bezerra de Menezes narra, em A Tragédia de Santa Maria, a história de uma jovem e de um rapaz que se conheceram através do Esperanto; e nas páginas de Esperanto Como Revelação (Esperanto Kiel Revelacio) nos é mostrada a outra face da língua internacional e do seu criador, ainda desco­nhecida da maioria dos homens. Nesse livro, Francisco Valdomiro Lorenz, o notável poliglota e espiritualista, nos fala, através da mediunidade de Chico Xavier, das origens do Esperanto ainda na pátria espiritual, da missão de Zamenhof, seu genial criador, e do futuro glorioso destinado, na história da humanidade, à língua “dos que esperam”.

Então, O que achou?