27 out
2010

Maximizando o lucro do Centro Espírita

Wellington Balbo – Bauru – SP

Não estranhe o título do artigo acima, caro leitor. Obviamente passa longe a idéia de transformar o centro espírita em Wall Street. A intenção é, naturalmente, dar um outro enfoque para a palavra lucro, muito mais abrangente do que apenas o seu caráter pecuniário.

Maximizar o lucro em uma instituição espírita representa atingir a excelência nos trabalhos prestados às pessoas, seja de ordem doutrinária, ou, também, de promoção humana. Quanto melhor  a qualidade dos serviços oferecidos pela Casa Espírita mais alto será o seu lucro, mais benefícios ela espalhará pela sua comunidade e, conseqüentemente, pela Terra. Portanto, esta deve ser a meta constante, a busca permanente dos coordenadores dos centros: atingir a excelência para, então, maximizar os lucros, ou seja, esclarecer mentes, consolar corações, motivar ao trabalho edificante, divulgar o Evangelho de Jesus e fazer com que se compreenda Kardec em sua essência pura e simples.

E para maximizar esses lucros no centro espírita é necessário fazer um diagnóstico da Casa Espírita. E como fazemos um diagnóstico da Casa Espírita? Desta vez, leitor amigo, recorro a uma frase proferida pelo confrade Edgar Miguel, atual presidente da USE Intermunicipal Bauru. Afirma Edgar: “É preciso pensar o Centro Espírita e fazer um diagnóstico de sua realidade”.

Em recente reunião da USE Intermunicipal Bauru o próprio Edgar foi quem apresentou uma eficaz ferramenta para diagnóstico da Casa. O leitor mais familiarizado com assuntos pertinentes à ciência da Administração certamente já ouviu referência sobre a análise FOFA.

A análise FOFA também denominada de SWOT, termo inglês, é uma ferramenta destinada a estudar a instituição. As empresas em geral utilizam a análise FOFA para elaborar um diagnóstico de sua realidade. Quais são nossas Forças e Fraquezas, nossas Ameaças e Oportunidades. É uma espécie de “Conhece-te a ti mesmo” do mundo empresarial. No entanto é perfeitamente aplicável nos centros espíritas.

As duas letras iguais significam as Forças e Fraquezas e dizem respeito ao seu ambiente interno.

Para efeitos didáticos citaremos alguns exemplos de Forças e Fraquezas das Casas Espíritas. Quais são minhas forças?

Forças – Bons oradores, a própria mensagem consoladora da Doutrina Espírita, estrutura física bem distribuída, voluntários capacitados…

Passemos para as Fraquezas, quais são elas?

Fraquezas – Carência de grupos de estudo, falta de voluntários, local inadequado para a realização das atividades e tantos outros que a análise irá apontar.

As outras duas letras, O e A, significam Oportunidades e Ameaças.

Quais são as oportunidades para a Casa Espírita?

Aproveitar bem a abertura da mídia, trabalhar de forma eficaz com a credibilidade conquistada em virtude dos inúmeros trabalhos sociais desenvolvidos, esclarecer as pessoas quanto a temas de interesse geral, como, por exemplo, a reencarnação e comunicabilidade dos espíritos, haja vista que são assuntos do interesse do público e etc.

Ameaças para a Casa Espírita?

Idéias materialistas, preconceito, falta de tempo das pessoas para atividades de cunho espiritual…

Após efetuar a análise da Casa Espírita e em posse de informações como estas o próximo passo é elaborar ações que visem implantar atividades e corrigir imperfeições, aproveitar oportunidades e combater as ameaças.

Lembrando que Forças e Fraquezas referem-se ao ambiente interno e Oportunidades e Ameaças espelham o ambiente externo da Casa.

Tudo isto visando, obviamente, leitor amigo, a maximização do lucro do centro espírita, ou seja, espalhar as bênçãos e luzes do Evangelho de Jesus tão bem explicado por Allan Kardec. Na contabilidade divina os lucros advindos de um coração consolado ou uma mente esclarecida são apresentados da maneira mais bela possível: um mundo melhor, mais equilibrado, solidário e fraterno.

Portanto, vamos fazer com que o centro espírita lucre muito e seja uma Casa que distribui milhões; milhões de felicidade, amor, paz, alegria…

E para isso, como diz o nosso confrade Edgar: Vamos pensar a Casa Espírita? Vamos aplicar a Análise FOFA em nossa Casa?

Então, O que achou?